Aposentadoria rural por idade: Você sabe o que é?

Publicado: Última atualização em 158 visualizações

O trabalhador rural, lavrador, agricultor de atividade rural de economia familiar ou “boia-fria” mesmo que não faça contribuições ao INSS pode ter direito à aposentadoria rural. É que a Lei 8.213/1991 determinou que o tempo de atividade rural substitui o período de carência para concessão do benefício.

Desta maneira, basta que o agricultor tido como segurado especial pela Lei  demonstre o exercício por 180 meses nos anos imediatamente anteriores à data do requerimento, permitindo-se a atuação descontínua.

A atividade rural de economia familiar é aquela em que os membros da mesma família exercem somente atividade rural com produção apenas para a subsistência – não são grandes agricultores.

A Aposentadoria Rural por Idade é concedida sempre que o trabalhador completar a idade mínima e o período de carência (180 meses) nos anos imediatamente anteriores à data do requerimento. A Aposentadoria Rural por Idade segue os seguintes requisitos para concessão:

  • 60 anos completos para homens;
  • 55 anos completos para mulheres;
  • período de carência de 180 meses.

Importante destacar que a Lei reduz a idade legal para aposentadoria rural nas 4 categorias de segurados rurais (segurado empregado, segurado contribuinte individual, segurado trabalhador avulso e segurado especial).

O trabalhador rural dessa categoria não contribui diretamente para a previdência, portanto, não teria como cumprir um número de contribuições mínimas para atender a carência.

De fato, os recolhimentos são efetuados com a aplicação de uma alíquota de 1,3% sobre os produtos vendidos. Isto é, seu custeio funciona como uma espécie de tributo.

Mas para ter direito à aposentadoria por idade rural é importante ter início de PROVA DOCUMENTAL sendo que os seguintes documentos são aceitos para comprovação do exercício de atividade rural:

– Contrato de arrendamento, parceria ou comodato rural;

– Declaração de sindicato que represente o trabalhador rural;

– Comprovante de cadastro do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA;

– Bloco de notas do produtor rural;

– Notas fiscais de entrada de mercadorias, emitidas pela empresa adquirente da produção, com indicação do nome do segurado/trabalhador rural como vendedor;

– Documentos fiscais relativos à entrega de produção rural à cooperativa agrícola, entreposto ou outros, com indicação do segurado como vendedor;

– Comprovantes de recolhimento de contribuições decorrentes da comercialização da produção;

– Cópia da declaração de imposto de renda, com indicação de renda proveniente da comercialização de produção rural; 

– Certidões de nascimento, casamento ou óbito dos familiares desde que conste a profissão de trabalhador rural;

– Declaração de escola rural em que o trabalhador rural ou seus parentes estudaram;

– Licença de ocupação ou permissão outorgada pelo Incra.

Lembrando que o rol de documentos é EXEMPLIFICATIVO porque a atividade exercida na roça é bastante árdua, além de ser realizada por pessoas simples que muitas vezes não têm acesso ao Poder Público, este fato era bem mais difícil quando a atividade foi exercida antes da década de 90, portanto sendo possível a prova por outros documentos que não constem nesta lista.

Se você ficou com alguma dúvida, envie para nós respondermos.

Estamos prestando serviço de informação dos Direitos da população de Nova Friburgo e região, nosso trabalho somente atingirá seu objetivo com a participação muito especial de você, leitor.

E como você poderá nos ajudar? É simples. Curta, comente e compartilhe os assuntos da nossa coluna. Faça perguntas, peça esclarecimentos. Será uma felicidade interagir com os leitores e trazer o Direito mais perto dos que dele precisam para melhorar as condições de vida dos Friburguenses.

Dúvidas:

Janiele Costa: O pai da minha filha faleceu e eu não consegui pensão para ela. Consultei alguns advogados e eles me disseram que pelo pai dela não ter pago o INPS, eu não teria direito. Conheço uma família aqui de Lumiar que o pai do menino faleceu, ele não pagava INPS e mesmo assim a criança recebe uma pensão.

Resposta: Olá Janiele, meus sentimentos com a perda do pai da sua filha.

Em alguns casos, quando a pessoa que faleceu trabalhava para um empregador e após a morte do trabalhador, os herdeiros ingressam na Justiça do Trabalho para reconhecer o vínculo empregatício na data do óbito e a sentença é PROCEDENTE é possível receber pensão por morte. Outra situação é quando se trata de TRABALHADOR RURAL em economia familiar porque conforme explicamos no texto acima, não se exige contribuições.

Marinês Faltz: Fui atropelada e precisei fazer uma cirurgia no joelho. Fiz essa perícia (imagem abaixo), na data acima e até hoje está em análise. Pela médica ganhei quatro meses e o dinheiro está retido. Queria só uma resposta porque fiquei sem trabalhar 3 meses e a perícia está em análise.

Resposta: Oi Marinês Faltz, infelizmente o INSS está atrasando todos os requerimentos, inclusive já foi estipulado um Termo de Ajuste de Conduto para solucionar este problema mas ainda existem muitos pedidos represados. 

Pela Lei, o INSS tem prazo de 90 dias para dar andamento aos pedidos administrativos, somente se o seu pedido estiver PARALISADO a mais de 90 dias sem resposta, você poderá ingressar com ação judicial cobrando a resposta do INSS.

Humberto M. Gitirana: Ultimamente, a prefeitura vem superestimando os valores dos terrenos em Friburgo para buscar um aumento na arrecadação através do ITBI. Quando você pede a emissão da Guia de ITBI, se surpreende com os valores ajustados e bem superiores ao valor da escritura, inclusive maiores até que o valor de mercado praticado pelas imobiliárias. Soube que esse valor não pode ser arbitrado pela prefeitura assim tão puro e livremente. O que podemos fazer nesse caso seja individualmente ou coletivamente?

Resposta: Olá Humberto M. Gitirana, o Sr. está correto as Prefeituras não podem superestimar os valores dos imóveis porque em termos práticos configura aumento do imposto. Entretanto, esta ação vem sendo praticada em todo o Brasil, tanto que o Superior Tribunal de Justiça no julgamento do Tema Repetitivo nº 1.113, sob o Rito dos Recursos Repetitivos estabeleceu 3 teses:

  • A base de cálculo do ITBI é o valor do imóvel transmitido em condições normais de mercado, não estando vinculada à base de cálculo do IPTU, que nem sequer pode ser utilizada como piso de tributação;
  • O valor da transação declarado pelo contribuinte goza da presunção de que é condizente com o valor de mercado, que somente pode ser afastada pelo fisco mediante a regular instauração de processo administrativo próprio (artigo 148 do Código Tributário Nacional – CTN);
  • O município não pode arbitrar previamente a base de cálculo do ITBI com respaldo em valor de referência por ele estabelecido de forma unilateral.

Desta maneira, quando o Município estipula um valor da base de cálculo do ITBI DIFERENTE do valor da transação declarada pelo contribuinte:

– INDIVIDUALMENTE cabe IMPUGNAÇÃO em processo administrativo e mediante o devido respeito ao contraditório, caso não tenha sucesso no processo administrativo caberá ação judicial.

– COLETIVAMENTE: o Sr. e outras pessoas que tenham sido prejudicadas pelo Município poderão procurar a Defensoria Pública para ingressar com ação coletiva em face da ilegalidade e inconstitucionalidade do ato administrativo.

Contatos

EcoSerrano

ROF

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seu nome, e-mail e IP por este website.

Matérias Relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Privacidade

Políticas de Privacidade e Cookies
error: Content is protected !!